O Rinoceronte

A divisão social, mais que pela ótica econômica, agora passa pela régua das normas “sanitárias”. Hipócritas, impõe um sistema insustentável pelo prazer de oprimir os menores. Os “rinocerontes” de ternos e togas não se escondem mais e muitos estão sucumbindo aos seus caprichos. Não se dão conta do que estão fazendo a si mesmos. Deus tenha misericórdia do nosso país. Tenho certeza que aqui os rinocerontes não vão conseguir. Continuar lendo O Rinoceronte

Cidade Invisível: Saci, Cuca, Curupira, Sereia e Tutu moram no Rio de Janeiro convivendo conosco

A produção nacional inovou nos padrões dramatúrgicos e ousou no encontro entre folclore e suspense sobrenatural. Tratando-se de Carlos Saldanha, não poderia ser diferente. Consagrado na área de animação, manteve a chama criativa na troca para o cinema “tradicional”, abraçando … Continuar lendo Cidade Invisível: Saci, Cuca, Curupira, Sereia e Tutu moram no Rio de Janeiro convivendo conosco

Por que prefiro a ‘Comédia dos Erros’

Na coluna Ação & Reflexão desta semana, a atriz Bianca Montanas traz sua visão sobre a obra do poeta, dramaturgo e escritor William Shakespeare, Comédia dos Erros. A seguir o texto, para relembrar e destacar a obra, de certa forma apagada mediante ‘Romeu e Julieta’, ‘Sonho de uma noite de verão’, ‘Otelo’, ‘Macbeth’; mais famosas e que revelam a queda da humanidade pelo “modão”, pelo “dramático”, pelo “sertanejo” e o “romântico”, o que não parece ser o caso da nossa colunista. Entenda: Amor não se explica, simplesmente acontece. Foi “amor à primeira leitura”. Desde as primeiras linhas da Comédia dos … Continuar lendo Por que prefiro a ‘Comédia dos Erros’

Meu malvado favorito – Macbeth

[Ação & Reflexão] | Coluna de resenhas descritivas e opinião | Por: Bianca Montanas. Onde está Macbeth? Onde está Shakespeare, o manipulador de emoções e desejos sem preconceito, que transita entre o jovem romântico, o vilão pérfido e o mundo real e sobrenatural? Com seus ardis encantadores, não há público que lhe escape: jovens e adultos, leigos e críticos; por isso os palcos se renderam a ele. Não há pessoa que não se envolva por suas palavras (certeiras), cenas (instigantes) e enredo (muito bem) elaborado. Haverá espaço para ele no mundo do “novo normal”? Shakespeare é sábio; Macbeth, soberbo; Shakespeare … Continuar lendo Meu malvado favorito – Macbeth