O perigo do design minimalista

(e a morte do detalhe)

Por Cultural Tutor @CulturalTutor on Twitter 18 de junho

Este não é um ataque ao minimalismo com M maiúsculo, que é um movimento de design consciente. Como a música minimalista do compositor Philip Glass, que é francamente linda. O que estou falando é o minimalismo inconsciente, pequeno. O que se tornou o padrão social para aparentemente todas as escolhas de design, sejam elas arquitetônicas, corporativas ou qualquer outra. É um fenômeno preocupante por causa do que o minimalismo representa: a falta de detalhes.

Por que os detalhes importam? Pense nisso como identidade.

O que dá à cabine telefônica à esquerda seu caráter distintivo? Os detalhes: cor, molduras ao redor da porta, ornamentação na parte superior.

A cabine telefônica à direita não tem detalhes reais e nenhuma personalidade. Não estou necessariamente falando de beleza aqui. Estou apenas falando sobre coisas que têm algumas qualidades e características discerníveis. O poste à esquerda dificilmente é “bonito”, mas *tem* algum caráter. O da direita… existe. Isso é tudo. 

E campainhas também!

O detalhe (e, portanto, identidade) é que as pessoas têm gostos diferentes. Então, até certo ponto, impõe algo a uma pessoa. Os designs minimalistas padrão retiram toda a identidade das coisas. Apresenta uma lousa neutra, limpa, que não impõe nada. Até os bancos foram minimizados! 

Você se lembraria do da esquerda. Ele adiciona charme e personalidade à sua localização. O da direita… você nem notaria. Quantas grandes corporações mudaram para logotipos muito mais simplificados? Este é um exemplo recente notório.

Então, quando o minimalismo pequeno se tornou o padrão social para tudo, de bancos e cabeços a arranha-céus e assembleias nacionais…. Temos uma redução ad absurdum da estética cultural:

Alguém pode não gostar de um detalhe (leia-se: personagem) sem detalhes. É um mundo IKEA Bookcase.

(Nada de errado com as estantes IKEA necessariamente, mas quando tudo se parece com uma, bem…) 

O pior crime do design minimalista é como ele tirou toda a cor das coisas. Talvez o design minimalista seja tão predominante porque não temos mais nada a dizer. Você não precisa que eu explique o que diz a catedral gótica, por exemplo.

Mas o arranha-céu? Não diz nada, na verdade. É só… *lá*. E de repente tudo, em todos os lugares começa a parecer o mesmo. Neutralidade absoluta. Nenhum detalhe. Sem identidade. o que isso diz sobre nós?

Por favor, lembre-se de que não estou falando de um minimalismo consciente aqui. Se você gosta de decorar seu quarto de forma minimalista, isso *não* é um problema. Não é da minha conta nem de ninguém. O problema é essa deriva social em direção à simplificação absoluta…

Enfim, vou sentar no jardim e ouvir Má Vlast de Bedřich Smetana… Estou gostando da discussão que este tópico gerou até agora! E se você achou instigante, também pode gostar do meu boletim informativo semanal gratuito, Areopagus. Sete aulas curtas todas as sextas-feiras, incluindo arquitetura, música clássica e arte.

getrevue.co/profile/cultura…

Um comentário sobre “O perigo do design minimalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s