Nitazoxanida se mostra promissora como um tratamento inicial para COVID-19 leve a moderado

Por Anne DeLotto Baier em 23 de abril de 2021 para College of Pharmacy – University of South Florida

O tratamento precoce com o antiparasitário nitazoxanida, aprovado pela FDA, evita que sintomas leves ou moderados de COVID-19 progridam para fase grave e hospitalização, indica um estudo clínico co-liderado por Christian Bréchot, cientista da USF Health.

O ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado de Fase 3, conduzido em 36 centros nos Estados Unidos e em Porto Rico, foi conduzido por Jean-Francois Rossignol, MD, PhD, presidente executivo da Romark LLC, com sede em Tampa, e Christian Brechot, MD, PhD, presidente da Global Virus Network; vice-presidente associado de Parcerias Internacionais e Inovação da USF; e professor, Divisão de Doenças Infecciosas, Departamento de Medicina Interna do USF Health Morsani College of Medicine.

As descobertas foram publicadas em 20 de abril no medRxiv, uma base de dados em pré-impressão (relatórios preliminares) para ciências da saúde.

Christian Brechot, MD, PhD da USF Health, co-liderou o estudo clínico multicêntrico.

“Combinar terapias seguras e potentes com programas de vacinação será fundamental para controlar esta pandemia”, disse o investigador principal do estudo, Dr. Brechot. “Apesar dos avanços notáveis no desenvolvimento de vacinas COVID-19 eficazes, ainda precisamos urgentemente de novos tratamentos para ajudar a prevenir doenças graves e hospitalizações.”

Este é particularmente o caso no início da doença – antes que o vírus COVID-19 se replique extensivamente e a infecção se espalhe pelos pulmões, potencialmente desencadeando uma “tempestade de citocinas” induzida pelo sistema imunológico que danifica outros órgãos. Os anticorpos monoclonais, embora alcancem resultados promissores quando infundidos precocemente, são caros, propensos à resistência por mutações virais e devem ser administrados em um hospital ou clínica, acrescentou o Dr. Brechot.

A nitazoxanida, uma droga existente amplamente prescrita para tratar parasitas intestinais, tem um histórico de segurança comprovada em crianças e adultos. Em estudos de cultura de células, demonstrou inibir a replicação de vários vírus respiratórios diferentes, incluindo o coronavírus humano MERS, vírus influenza e rinovírus. Os pesquisadores atribuem a atividade antiviral de amplo espectro da droga à sua interferência nas viascelulares que o vírus explora para se multiplicar. Recentemente, a nitazoxanida foi identificada como um candidato promissor para o tratamento precoce da SARS-CoV-2.

Com isso em mente, a equipe liderada pelo Dr. Rossignol e pelo Dr. Brechot investigou se a nitazoxanida poderia ser reaproveitada para impedir o agravamento de COVID-19 leve ou moderado.

No último ensaio clínico, os pesquisadores testaram a eficácia da nitazoxanida em 379 pacientes ambulatoriais, com idades entre 12 e 83 anos, com COVID-19 leve ou moderado confirmado em testes laboratoriais. Os participantes do estudo (cujos sintomas respiratórios COVID começaram no máximo 72 horas antes de entrar no estudo) foram randomizados em um de dois grupos, ambos tratados por cinco dias. Um grupo recebeu comprimidos de 300 mg de nitazoxanida de liberação prolongada duas vezes ao dia (uma dose de 600 mg); o segundo grupo recebeu comprimidos de placebo duas vezes ao dia correspondentes à aparência do medicamento real.

Os anticorpos monoclonais, que se mostraram promissores para o tratamento precoce contra o COVID-19, são caros, administrados em um hospital ou clínica e propensos à resistência por mutações virais.

Entre as descobertas da análise de eficácia:

-O tempo para resposta sustentada (uma medida de quanto tempo os sintomas leves ou moderados de COVID duraram) não foi reduzido pela nitazoxanida.

-O tratamento com nitazoxanida foi associado a uma diminuição de 85% na progressão para doença grave, em comparação com o placebo. Apenas um de todos os 184 pacientes ambulatoriais no grupo da nitazoxanida progrediu para doença grave (uma taxa de 0,5%), enquanto sete de 195 (3,6%) no grupo do placebo o fizeram.

-Um subgrupo de 238 participantes do estudo (63% do total de 379) apresentava alto risco de desenvolver doença COVID grave com base nos critérios dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) (idade, condições médicas subjacentes, etc.). Destes indivíduos de alto risco, a taxa de progressão para doença grave foi significativamente menor no grupo tratado com nitazoxanida (0,9%) do que no grupo placebo (5,6%).

-O tratamento reduziu a taxa de hospitalização em 79% no grupo da nitazoxanida (0,5%), em comparação com o grupo do placebo (2,6%).

Os pesquisadores enfatizam que estudos maiores são necessários para confirmar seus resultados.

Novos tratamentos antivirais facilmente acessíveis ainda são urgentemente necessários para prevenir a progressão de COVID-19 leve ou moderado para doença grave e hospitalizações.

A disponibilidade de um antiviral seguro, oral, escalonável e dirigido ao hospedeiro para o tratamento precoce contra COVID-19 em pessoas com alto risco de doença grave pode desempenhar um papel importante na redução do número de doenças graves e hospitalizações durante em curso a grande crise de saúde pública”, concluíram.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s