‘Literalmente criminoso’: supressão de dados sobre ivermectina custou ‘meio milhão de vidas’, médico acusa

Por Frontnieuws traduzido por Renata Araujo, no Brasil publicado primeiro em Patriota.net

Em uma chamada de zoom , Dr. Pierre Kory da Front Line COVID-19 Critical Care Alliance trouxe numerosos detalhes mostrando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deliberadamente reteve dados sobre a eficácia da Ivermectina contra o vírus em favor dos interesses da Big Pharma nas vacinas.

“É um crime. É literalmente criminoso. A droga poderia ter salvado meio milhão de vidas este ano se aprovada ”, diz Kory.

A OMS, diz Kory, está simplesmente participando da tática de um antigo “Plano de Desinformação”. O termo foi cunhado há 50 anos pelo Union of Concerned Scientists para descrever as estratégias que as empresas desenvolveram ao longo das décadas para “atacar a ciência quando ela vai contra seus interesses financeiros “.

Consiste em cinco partes:

  1. The Fake – Conduza ciência falsificada e tente fazê-la passar por uma pesquisa legítima.
  2. The Blitz – Cientistas intimidantes que pronunciem resultados de análises desagradáveis ​​para a indústria.
  3. The Distraction Maneuver – Criando incerteza sobre a ciência, onde pouco ou nada existe de certeza.
  4. The Screen – Compre credibilidade forjando alianças com associações acadêmicas ou profissionais.
  5. The Correction – manipular funcionários ou processos do governo para influenciar indevidamente a política.

Na conversa completa do Zoom, já excluída pelo YouTube, mas disponível no Bitchute , Kory descreve como as cinco táticas foram usadas contra as descobertas científicas sobre a ivermectina. Um exemplo é a corrupção das principais revistas médicas, cujos editores se recusam a publicar estudos de ivermectina para revisão por pares. O participante institucional mais notório, entretanto, é a OMS.

Kory é autor principal de uma revisão científica dos estudos sobre ivermectina em todo o mundo, publicada na edição de maio-junho do The American Journal of Therapeutics.

Conforme relatado no site da FlCCC, houve um total de 56 estudos envolvendo 469 cientistas e 18.447 pacientes. Destes, 28 eram testes de controle randomizado (ECR), o tipo de estudo considerado altamente confiável no mundo médico.

Juntos, eles mostraram uma melhora de 85% como preventivo contra a doença, quando tomados antes da exposição. Houve uma melhora de 78% com a administração precoce e de 46% com a administração tardia. Houve uma melhoria de 74% na mortalidade e uma melhoria de 66% em várias áreas nos 28 ensaios de controle randomizados.

Em apenas 10 dias de publicação, o artigo sobre Ivermectina foi classificado como o 13º mais lido entre mais de 200.000 outras publicações científicas publicadas na época, relata Kory.

Dos 17,7 milhões de relatórios rastreados pela fonte de classificação desde o seu início, o estudo da ivermectina já está classificado em 246.

Kory acredita que a resposta ao documento foi um bom sinal e diz que “vê uma mudança acontecer”.

Kory observa que sua equipe não está sozinha.

Dr. Tess Lawrie é uma das maiores especialistas mundiais em criação de diretrizes e revisões sistemáticas. Seu grupo sozinho e seu esforço independente, o consórcio BIRD (British Ivermectin Recommendation Development), concluiu que esse deveria ser o padrão de atendimento. Nosso artigo também chegou a essa conclusão. Nós não estamos sozinhos. Prof. Satoshi Omura, o ganhador do Nobel, seu grupo do Japão, publicou seu artigo no qual chegaram à mesma conclusão. Outro grupo independente da Espanha e da Itália fez o mesmo.

Mais importante ainda, todos esses grupos são … painéis de especialistas independentes. Nenhum de nós está em um conflito de interesses. Nenhum de nós tem outros interesses além do juramento que fizemos como médicos, que é cuidar de nossos pacientes ”, diz ele.

Parte do problema é que os doadores corporativos da OMS não apenas fornecem financiamento, mas determinam todos os aspectos da pesquisa e até fornecem as equipes de pesquisa.

“Olha de onde vem o dinheiro. As condições agora estão associadas ao dinheiro. As pessoas dão dinheiro à OMS, mas dizem ‘queremos que você faça isso ou pesquise aquilo. Queremos que você use nossos consultores, nossos especialistas e nossos cientistas ‘. Muitos deles são da Pharma. A indústria farmacêutica se infiltrou quase completamente nesta organização.

Se você olhar criticamente a droga, especialmente em uma pandemia, não poderá deixar de chegar à conclusão objetiva de que é o tratamento padrão. E realmente tem um impacto fenomenal em todo o mundo ”, diz Kory.

Por exemplo, no México e na Índia, “as taxas de mortalidade e hospitalizações definitivamente caíram” onde a ivermectina foi usada.

O verdadeiro problema com a droga, diz Kory, é que ela não é apenas eficaz, segura e prontamente disponível, mas também muito barata. A ivermectina custa apenas alguns dólares por dose. Isso coloca o medicamento contra os interesses financeiros de mais de US $ 100 bilhões que podem ser ganhos com vacinas.

“Na história da indústria farmacêutica, não consigo imaginar interesses conflitantes tão profundos e grandes quanto os da pequena Ivermectina. É quase impossível prever quantos interesses são contra. Antes, organizações de saúde confiáveis, como a OMS, tornaram-se as principais defensoras dos interesses de sua Big Pharma, doadores movidos por vacinas. Como resultado, a OMS e outros estão suprimindo ativamente a evidência maciça de ivermectina para mantê-la fora da vista do público”, disse Kory.

As evidências para essa afirmação são espantosas. Olhando para o relatório do painel da OMS sobre ivermectina, ele diz: “As coisas que eles fazem não são sutis. É claro que quem presidiu aquele painel tinha um propósito não científico” .

Em primeiro lugar, não havia protocolo de exclusão de dados. Portanto, eles eram basicamente livres para rejeitar qualquer julgamento que considerassem indesejável. E adivinha? Eles fizeram. Eles jogaram fora muitos dos relatórios investigativos que sua própria equipe Unitaid havia descoberto e coletado nos últimos meses”, observa Kory.

Mais abertamente, Kory pensa, é uma frase no relatório da OMS que seus pesquisadores nem mesmo se preocuparam em defender: “Diz apenas: ‘Não olhamos para ensaios clínicos randomizados e a prevenção de COVID-19. Sem motivo, sem motivo. Nós simplesmente não fizemos isso ”.

Um dos indicadores mais importantes da eficácia de um medicamento são os dados de resposta à dose, explica Kory.

“Eles evitaram deliberadamente mencionar dados de dose-resposta. Eles omitiram completamente dados realmente importantes porque se houver, é um grande pilar científico demonstrando sua eficácia”.

Também não incluíram estudos epidemiológicos, como o da pesquisa de Juan Chamie que vem acontecendo há um ano “mostrando que qualquer lugar que faz ampla distribuição e adoção, você vê o número de casos e mortes despencando”, e que foi apresentado para a OMS.

“Então, quando li isso, conheci esses dados. Eu as mãos na cabeça e pensei: essas pessoas são criminosas. Eles são literalmente criminosos”, diz Kory.

Se o relatório examinar se a ivermectina é segura ou não, Kory observa, “é absolutamente cômico”.

Falando de uma droga que está em uso há mais de 40 anos, com bilhões de doses administradas e um histórico de segurança melhor do que a aspirina ou o Tylenol, diz ele, a OMS encontrou três estudos sugerindo que poderia haver efeitos adversos. O painel então decidiu, disse Kory, “que não funciona porque descartamos todos os dados que mostram que funciona. Mas quer saber, vemos que pode ser prejudicial. Quer dizer, é absolutamente ridículo o que eles estão fazendo”.

Em contraste, a OMS permitiu o Remdesivir para COVID-19, que custa entre $ 2.340 e $ 3.120, com base em um único estudo conduzido em 800 pacientes. Esse estudo descobriu que o Remdesivir não reduz a taxa de mortalidade e reduz a duração da hospitalização entre os sobreviventes em uma média de dois dias.

Em 2018, a OMS recomendou ivermectina para o tratamento da escabiose com base em 10 estudos de controle randomizados envolvendo apenas 852 pacientes. Fez o mesmo com a ivermectina como tratamento para estrongiloides, uma infecção parasitária, com base em cinco ensaios clínicos randomizados e 591 pacientes.

Mas 28 ensaios clínicos randomizados envolvendo cerca de 3.000 pacientes não foram suficientes para que a OMS aprovasse esta terapia que salva vidas para COVID-19.

“A OMS cometeu essencialmente um ato criminoso. Isso claramente não é ciência acontecendo aqui”.

COVID-19 VACCINE FILE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s